sexta-feira, 24 de abril de 2009

Herzog e a Antárctica




Os organizadores do Indie 2009 dificilmente podiam ter escolhido melhor: o filme que ontem inaugurou o festival, Encounters at the End of the World (Encontros no Fim do Mundo) é um dos melhores documentários que jamais vi. Rodado na Antárctica, por Werner Herzog é uma obra fascinante, comovente - e também, por momentos, inquietante -, onde os quase opressivos momentos de beleza (algumas das filmagens debaixo de água ou nas grutas provocadas pela lava do vulcão) alternam com outros de pura poesia visual.
Para além de dar a ver cenários absolutamente deslumbrantes, o filme está povoado de indivíduos inesquecíveis e comoventes, como esse mecânico com sangue apache que está convencido de que descende dos imperadores azecas por causa da forma das suas mãos ou essa cientista (fisicamente lembra Patti Smith) que viajou dos Estados Unidos até à Bolívia à boleia dentro de um tubo nas traseiras de um camião.
Hilariantes são também a entrevista que Herzog faz a um cientista que estuda o comportamento dos pinguins e as sequências que acompanham as deambulações de alguns desses animais. Mas são tantas as cenas e as personagens que me ficaram na cabeça que seria capaz de ficar aqui o dia todo a descrever-vos este verdadeiro ovni cinematográfico que já figura na lista das melhores coisas que vi e ouvi em 2009.
Encounters at the End of the World, que vos aconselho a não perder sob nenhum pretexto, volta a passar no Cinema S. Jorge, no dia 3 de Maio (último dia do Festival) , às 16h.

Sem comentários:

Arquivo do blogue