domingo, 4 de dezembro de 2011

Natureza morta


A Natureza Morta está de regresso ao Museu Gulbenkian, com uma nova exposição consagrada à produção artística da segunda metade do séc. XIX e primeira metade do séc. XX. A mostra não está organizada cronologicamente, o que permite uma visita errática como gosto de fazer.
Estão representados praticamente todos os grandes pintores europeus do referido período, incluindo alguns portugueses. Claro que ajuda, e muito, ter conhecimentos da história da pintura, mas não é preciso perceber muito de arte para nos extasiarmos perante algumas das obras expostas. Estou a pensar particularmente em Van Gogh, Matisse, René Magritte ou Douanier Rousseau, cujos quadros me apeteceu trazer para casa.
Em quase todos os casos, adorei verificar como cada artista abordou o tema, ora confrontando-se com artistas que os antecederam, ora homenageando-os mais ou menos subtilmente (sendo que a confrontação pode ser uma forma extremada de homenagem).

Sem comentários:

Arquivo do blogue