sexta-feira, 15 de junho de 2012

Pais e filhos

Só gostamos verdadeiramente de nós próprios se amarmos os nossos pais. Até porque com pais diferentes, seríamos outros. Ou seja, não existiríamos, pura e simplesmente. Do mesmo modo, é impossível não amarmos os nossos filhos, sejam eles como forem. Sejam eles quem forem. Um filho é uma extensão de nós mesmos, uma parte de nós que ganhou vida própria. Mas só até certo ponto, pois filhos e pais ficam dentro uns dos outros até ao fim. Dito isto, ninguém tem filhos; os filhos, é que nos têm.

Sem comentários:

Arquivo do blogue