terça-feira, 31 de julho de 2012

André Gide

«Le monde ne sera sauvé, s’il peut l’être, que par des insoumis», escreve André Gide numa carta escrita em 1948. E noutra altura, envelhecido, desabafa: «Est-il si difficile que l’on croit de mourir ? Sans doute il n’y a qu’à se laisser faire ; l’erreur est de se cramponner trop à la vie». Como não gostar de alguém que pensa assim? Apesar de ter lido, há muitos anos, dois ou três romances de Gide, pouco ou nada sabia sobre ele. A leitura dos seus diários revelou-se muito interessante. Hoje gosto muito mais do homem que ele foi do que do escritor. Talvez ele próprio preferisse assim.

1 comentário:

Odracir disse...

Acho que acertas mais uma vez...

Arquivo do blogue