terça-feira, 30 de outubro de 2012

Da poesia

Nunca procuro escrever poemas, mas, por vezes, impõe-se a mim. Deus me perdoe ter ainda, por vezes, a veleidade que querer escrever poemas. Sobretudo agora, que são, cada vez mais, uma luta terrível, contra o silêncio, contra as palavras, contra o mundo e contra mim mesmo. Não há vitórias em poesia; é preciso amar a derrota para escrever poemas.

Sem comentários:

Arquivo do blogue