terça-feira, 31 de julho de 2012

Meco (ontem)

André Gide

«Le monde ne sera sauvé, s’il peut l’être, que par des insoumis», escreve André Gide numa carta escrita em 1948. E noutra altura, envelhecido, desabafa: «Est-il si difficile que l’on croit de mourir ? Sans doute il n’y a qu’à se laisser faire ; l’erreur est de se cramponner trop à la vie». Como não gostar de alguém que pensa assim? Apesar de ter lido, há muitos anos, dois ou três romances de Gide, pouco ou nada sabia sobre ele. A leitura dos seus diários revelou-se muito interessante. Hoje gosto muito mais do homem que ele foi do que do escritor. Talvez ele próprio preferisse assim.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Da série «As mínimas coisas»

Desabafo

Depois de ter passado tantos anos a defrontar demónios, tenho agora que combater também os anjos!

Da alegria

A alegria mais profunda é serena. E silenciosa.

Confissão

Tenho este grande defeito: só amo quem me ama. De resto, só tenho defeitos, como toda a gente sabe. As qualidades foram todas para os outros.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Cala Conta

Cala Conta

çç Marc Augé: «Sur la plage on passe le temps et le temps passé ne se rattrape qu’à la plage»

Cães

Brrru tal

domingo, 22 de julho de 2012

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Da verdade

A verdade só existe se Deus existir. Fora de Deus não há verdade. Apenas ilusões.

Da liberdade

Cioran dizia: «Sinto-me livre, mas sei que não o sou». Penso como ele. A liberdade é uma coisa muito relativa, sendo que há, como lembrava Camus, uma liberdade fundamental: a de pôr fim à vida. Mas mesmo nesse caso, a Natureza tudo fez para relativizar a nossa capacidade de escolha. O nosso medo da morte, a aversão ao nada, coloca-nos, a maioria das vezes, numa situação de verdadeira escravatura existencial. Dito isto, sobra muita liberdade para toda a gente, mas sobretudo para quem não tem escrúpulos e se está borrifando para os outros. Veja-se o caso dos ricos e poderosos, que se acham mais livres do que os outros, só porque passam a vida a roubá-los e a enganá-los à vontade.

quarta-feira, 11 de julho de 2012

I think I feel better...

Idea for a story

Eléctricos

Um homem é também aquilo que vê.

terça-feira, 10 de julho de 2012

Porta-aviões

Nem sabia da sua existência, quando deparei com ele ontem em Lisboa. Hoje sei que, com um comprimento de 230,82 m e um deslocamento de 27079 toneladas (quando totalmente carregado na configuração de navio de desembarque anfíbio), o Juan Carlos I é o maior navio de guerra da marinha espanhola. O seu convés recebeu, desde o início do projeto, uma rampa para decolagem de aeronaves de asa fixa (sky jump), que é usada por jatos de combate EAV-8B Matador (versão do Harrier operado pela marinha espanhola) e também, possivelmente, pelos modernos caças F-35B Lightining II, quando a Espanha aposentar seus Harriers.

Alfama (ontem)

Certos dias, aos meus olhos, Lisboa é um espectáculo mágico.

A caminho de casa

«Nothing prevents me from being a writer except laziness» (Susan Sontag in Reborn)

quarta-feira, 4 de julho de 2012

domingo, 1 de julho de 2012

Espelho

«Il n'y a pas, en cette vie, de natural vraiment naturel» (Henri Michaux in Face a ce qui se dérobe)

Arquivo do blogue