sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Pour Anna

je te cherche
dans le vent
dans les arbres
et dans les nuages

je te cherche
dans les chansons
sur la lune
et sur l’horizon

je te cherche
dans la ville
sur les yeux des gens
et des animaux

je te cherche partout
tout le temps
car à chaque fois que je te trouve
c’est pour te perdre à nouveau.

domingo, 18 de janeiro de 2015

Estrela


sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Smile

A gata acordou e olha para mim, iluminada pelo seu próprio olhar. A noite, lá fora é um muro cá dentro e, à minha volta, o silêncio parece-me mais profundo do que nunca, como num sonho onde me arrisco a perder parte da alma. Na sala, a minha dor nas costas está por todo o lado, até na televisão. No fundo, esta dor quase insuportável, que invade a vida inteira, não passa de um pormenor da desordem geral. Entretanto, uma borboleta (ou uma traça?) apareceu de repente, a esvoaçar junto à janela, para logo desaparecer, como uma ameaça que, felizmente, não se concretizou. Ignoro o nome deste filme misterioso e estranho que estou a contar, mas estou dentro dele, enterrado no sofá e no frio, a meditar nesta frase de Swift, que li em tempos: «Toda a gente quer viver muitos anos, mas ninguém quer ser velho».


Auto-retratos na Gulbenkian


Arquivo do blogue