domingo, 29 de janeiro de 2012

Ilustrarte

Fui ao Museu da Electricidade ver a Ilustrarte 2012, Bienal internacional de ilustração para a infância. Uma mostra fantástica que reúne artistas de toda a Europa, mas também do México, da Coreia do Sul e do Irão. A apresentação dos trabalhos seleccionados é bastante original. Como se pode ver na fotografia, a cada ilustrador foram atribuídas três gavetas que correspondem a outros tantos desenhos. É um pouco cansativo abrir tanta gaveta, mas as surpresas que elas escondem vale bem o esforço. Alguns dos trabalhos deixaram-me de boca aberta, de tal forma são imaginativos e bem executados. Ainda por cima, o evento inclui uma retrospectiva de Martin Jarrie, sem dúvida um dos mais bem sucedidos ilustradores de literatura infantil. A não perder, portanto, tanto mais que a entrada é gratuita.

Amigos


Os filhos dos meus amigos, meus amigos são.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Pensamento do dia

Provérbio francês: «Pour vivre heureux, mieux vaut vivre caché».

Parque Eduardo VII (hoje)


Antoine d’Agata: «He hecho todo lo que he podido para dar sentido al camino que escogí. Traté de decir lo que tenía que decir. Ahora sólo me queda seguir caminando.»

Políptico


Inaugurou hoje, no Espaço BES do Marquês de Pombal, uma nova exposição intitulada «Políptico». Eu não sabia, mas esta manhã ia a passar em frente do edifício e vi o anúncio, por isso entrei. A mostra reúne o trabalho de seis fotógrafos (três portugueses e três estrangeiros) que propõem uma «leitura» dos famosos Painéis de São Vicente. Enfim, é o que dizem os curadores. Na verdade, na maior parte dos casos, é preciso muita imaginação para ver uma relação das fotos expostas com aquela que é uma das obras mais importantes da pintura portuguesa do século XV. Seja como for, deparei ali com trabalhos bem interessantes. Gostei especialmente das propostas de Carmela Garcia (uma interessantíssima colecção de retratos de pintoras portuguesas), de Cristina Lucas (uma espanhola que mostra uma série de montanhas artificiais muito curiosa) e Pierre Gonnord (com um conjunto bastante perturbador de retratos, em formato gigante, que não esquecerei tão cedo). É deste último fotógrafo a imagem onde apareço reflectido de forma voluntária.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Gulbenkian


La connaissance du soir


Joe Bousquet: «Je regarde avec toute ma chair à chaque instant».

Graffitis



Spinoza: «L'homme libre ne pense à rien moins qu'à la mort, et sa sagesse est une méditation non de la mort, mais de la vie».

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Prazeres






Fotografar demasiado é como não fotografar. O olhar abarca tudo, mas só vê, verdadeiramente, algumas coisas. Por mim, só fotografo o que me interpela.

Hoje




Já quase não consigo escrever. Escrever para quê? E para quem? Os caminhos que conduzem ao meu foro íntimo já não passam, necessariamente, pela escrita. Em contrapartida, o que o mundo me diz é insubstituível. Hoje foi mais um dia bem passado.

Lisboa (hoje)





domingo, 15 de janeiro de 2012

Filhos



Talvez eu já não possa trazer algo de muito novo ao mundo, mas a mim próprio posso. Todos os dias. De resto, em certo sentido, a minha vida depende disso: da capacidade que eu tiver para me ir surpreendendo constantemente.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Aforismo


Cada um é livre como pode. No fundo, a liberdade é sermos servos de nós próprios.

Eléctrico 28




Fotogramas de um filme que, esta tarde, se desenrolou na minha cabeça, numa viagem de eléctrico que me conduziu até aos Prazeres.

Baixa (hoje)




Tornar-me fotógrafo foi a coisa mais natural do mundo. Desde muito novo, vejo o mundo com os olhos da interioridade e o meu espírito gosta de ir direito ao essencial. Na verdade, todas as minhas fotos dizem eu, pois falam do que me vai na alma.

Sete Rios (hoje)




Beckett: «Fail, fail, fail again, fail better».

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Arquivo do blogue