domingo, 22 de dezembro de 2013

Gaivota

Cada foto que tiro me rouba algo

Jardim Gulbenkian

Gosto de jardins, porque aí posso ouvir a música que me corre nas veias. Porque aí posso olhar o mistério de existir e sentir uma espécie de paz. Na Gulbenkian, hoje, a luz era tão bonita que a trouxe para casa.


Da fotografia

- O que procuras, quando fotografas?
- A resposta que me vem logo à cabeça é: procuro-me a mim próprio. Mas não o vou dizer assim: seria um cliché (bela palavra para quem está a falar de fotografia) e não corresponde inteiramente à verdade. Na realidade, procuro-me para me perder, sabendo que, um dia, vou perder-me de vez. No fundo, o que procuro, quando estou a fotografar, é o mesmo que procuro quando escrevo: é a vida, a própria vida e o seu mistério inteiro, o mistério das pessoas, dos seus actos, das situações em que se colocam e me colocam; é a cidade, o campo, a paisagem, o mar, o mundo inteiro. É isso que procuro quando fotografo: captar o que vivo e o que poderia viver se pudesse ter várias vidas ao mesmo tempo. Procuro, o que existe, o que foi e até o que será quando eu cá não estiver. Ninguém, ou quase, fala nisso, mas há na fotografia uma evidente nostalgia do futuro. E também da perfeição, é evidente.




domingo, 15 de dezembro de 2013

Da fotografia

Walker Evans: «Quando ando a fotografar, ando numa corda bamba, não tenho os pés no chão. Com a máquina na mão, é tudo ou nada».


terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Campolide


Campolide


Pôr do sol


Arquivo do blogue